Soul Funk

soul-funk

Junte o melhor da black music, de Stevie Wonder a Lenny Kravitz, acrescente o suingue brasileiro da Banda Black Rio e de Jorge Benjor e coloque ainda pitadas de artistas e grupos diversos, como Lenine, O Rappa, Seu Jorge e Caetano Veloso. Esta é a mistura que está no cardápio musical da banda Soul Funk.

A banda surgiu dos constantes, porém informais, encontros musicais de seus integrantes, acostumados a se reunir para dar canjas e fazer longas jam sessions na noite de São Paulo. “O que fizemos foi oficializar as canjas”, explica Junior Lima, baterista e um dos idealizadores da formação.

No repertório da Soul Funk estão releituras de clássicos da black music e ainda misturas inusitadas, que juntam artistas e bandas de gêneros muitos distintos. “É um pouco de tudo o que gostamos, só que com muito balanço”, comenta o vocalista Milton Guedes, explicando um pouco a filosofia da banda: “Nosso único compromisso é nos divertir e divertir o público”.

Desde sua estreia, grandes nomes da música nacional subiram ao palco com a banda para as famosas ‘canjas’. Já passaram por lá: Sandy, Seu Jorge, Jorge Ben Jor, Fernanda Abreu, Davi Moraes, Negra Li, Sandra de Sá, Andréas Kisser, Luciana Mello, Jair Oliveira, Simoninha, Jota Quest, Sideral, Maurício Manieri, Cláudio Zoli, George Israel e muitos outros. Em agosto de 2005, a banda recebeu suas primeiras canjas internacionais: o cantor e multi-instrumentista Tony Hall – atual baixista de Dave Matthews, Ian Neville e Ivan Neville, membro de um dos mais importantes clãs musicais de New Orleans.

Soul Funkers

Junior Lima, Milton Guedes, Dudinha Lima, DJ Tubarão, Erik Escobar, Giba Favery e André Caccia Bava.